quarta-feira, 4 de maio de 2016

SÓ POR HOJE EU QUERIA SER "NORMAL"

Oi. Eu sou Alice. Tenho um Transtorno chamado TDAH - Transtorno de déficit de Atenção e Hiperatividade. Descobri quando fazia uma tratamento para depressão. Não gosto de falar ou justificar para as pessoas sobre o Transtorno porque não gosto que sintam pena de mim, Muitas vezes , quando confesso , algumas dizem que não aparento ser hiperativa. Eu sei que a imagem que as pessoas têm de hiperativo como aquela pessoa inquieta que não pára num lugar e que balança as pernas. Eu não balanço as pernas , em vez disso eu procrastino, me saboto, choro escondida na cama que é lugar quente e nesse exato momento deveria ler um livro que foi indicado pelo meu professor a semana passada e que apenas li algumas páginas, e que será debatido amanhã. Hoje faltei aula de outro professor porque estava esgotada, simplesmente porque também fiz a leitura ontem e o trabalho hoje de manhã , antes de trabalhar e deixar minha mãe na rodoviária. Batalhei muito na seleção de mestrado e hoje estou paralisada com a que estar por vir ...peraí , vc falou mestrado? sim . Falei. Eu faço parte de uma minoria de pessoas que têm TDAH e conseguiram se graduar. Sempre fui aquela estudante fora dos padrões , que deixa as matérias para última hora. A minha vida escolar foi conturbada e cheia de dramas e improviso. Sempre consegui passar por uma suposta inteligência que só é acionada em momentos de urgência. Levei a graduação tocando flauta e fazendo juramentos que nunca cumpri. Hoje , trabalho na Universidade Federal da Paraíba , onde tive que deixar minha cidade natal , Recife, para morar em João Pessoa. Morava com minha mãe e meus irmãos , agora moro sozinha numa cidade agradável . Pelos incentivos de qualificação para aumentar o meu salário , que quase não me sustenta , decidi fazer mestrado mas não foi só isso. Tinha vontade de seguir a carreira acadêmica e me identifiquei com a Ciência da Informação. Também confesso que não tenho saco para estudar para concurso e como meu cargo é de nível fundamental , fazer um mestrado acadêmico pode me dar a possibilidade de ser professora da Universidade em que trabalho. Até chegar lá , para as pessoas "normais" têm muito sangue , suor e lágrimas . O que esperar de alguém que tem TDAH ? É o que vou descobrir. Não faz nem um mês que as aulas começaram e eu estou aqui, assustada, perdida, frustada com minhas reações de sempre e muito ansiosa. Esse monstrinho da ansiedade me corrói por dentro, como se existisse um dragão morando dentro de mim. As pessoas dizem que eu deveria estar feliz e eu sei que deveria mesmo, mas estou com muito medo de tudo. Será que é sempre isso : querer o que não tem e sofrer quando se consegue, por ter a sensação de que aquilo escorre entre os dedos ? Preciso de ajuda , estou cansada e amargurada, mas não vou colocar culpa no transtorno embora só por hoje gostaria de me sentir como uma pessoa "normal".

12 comentários:

  1. Alice, espero que já tenha passado esse seu sofrimento interno que eu senti ele quase que palpável, mas assim como você também tenho tdah e imagino que você já esteja muito melhor a não ser que tenha outro livro pra ler e esteja procrastinando, não te conheço mas já a admiro por ter chegado até ai *-* tenho certeza que logo isso tudo passa, não pare de escrever pra eu não me sentir tão sozinha. Obrigada!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada você pelas palavras. Estou me sentindo melhor , menos assustada mas não menos sobrecarregada. Na verdade , a inércia também me perturba bastante. acho que sou uma insatisfeita por natureza. Tô tentando pôr a leitura em dia no que é possível mas abandonar hábitos que me rodeiam desde sempre é quase impossível, talvez tenha que me adaptar a eles. Nem sempre eu tenho vontade de ser "normal" só nos dias de exaustão completa. Tenho que me aceitar como sou , o que não implica dizer que não precise mudar mas preciso descobrir uma maneira de diminuir os monstros que me afligem e seus danos.
    Um abraço. Alice.

    ResponderExcluir
  3. Que bom que vc voltou Alice, passo pelas mesmas coisas que vc, tenho ansiedade e entro em depressao, nem eu me suporto,. Vou levando a vida procrastinando e so consigo me concentrar no trabalho por causa do Concerta, queria ser normal .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos normais do nosso modo mas não podemos ignorar o fato de termos um Transtorno. Tenho que voltar a tomar o Ritalina, até nisso eu procrastino, rs. Um abç.

      Excluir
    2. Oi Alice os sentimentos que vc relatou eu já os tive, muitas vezes. Eu batalhava para conseguir um emprego em um escritório bacãna e quando era contratada, o medo de falhar me perseguia o tempo todo.
      Meus familiares me diziam pra deixar de ser tão insegura, pra enfrentar.
      Enfim, eu ainda não acreditava ser TDAH, não me medicava e tentava resolver tudo do meu jeito, sempre chorando sozinha no meu quarto, assim como vc descreveu.
      Não deixe esses pensamentos tomarem conta de vc, se conheça e utilize todas as armas que puder para alcançar seu objetivo.
      Não desista e parabéns.
      Estou na mesma jornada, tentando fazer o mesmo. Grande beijo

      Excluir
    3. Preciso voltar a fazer terapia URGENTE. Os remédios não estão dando vencimento, assim vou virar um zumbi. rs. Boa sorte pra vc tb e tudo de bom
      Um abç, Alice.

      Excluir
  4. Oi hoje recomecei meu tratamento pra TDAH. Decidi admitir e tratar.
    Adorei o blog vc escreve muito bem. parabéns.]prazer em conhecer. bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada. Se cuide mesmo. Tem gente que acha que é frescura mas não é. Nós é que sabemos o que passamos. Admitir e procurar ajuda é p primeiro passo mas sempre teremos outros adiante. Força e boa sorte no seu tratamento. Um abç. Alice.

      Excluir
  5. eu só agora as 33 anos q estou cursando a graduação e a duras penas inclusive é na ufpb. caramba como estudar é difícil pra nós. o bom é que me levou a tratar a tdah e agora espero mudanças.
    precisamos conversar, ri das notas limitações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito, muito difícil. O pior é que tenho sempre a sensação de frustração, de que poderia ter feito melhor. Na maioria das vezes, faço as atividades na última hora, improviso diversas vezes e depois vem a culpa. É terrível. O jeito é tentar dar leveza a essas coisas , rir de nós mesma e sempre se perguntar : quem nunca?
      Estou disponível para conversar (no meu tempo, sei que às vezes demoro a responder e a escrever no Blog, já pedi desculpas várias vezes , mas acho que vcs mais do que ninguém entendem). Boa sorte na sua graduação. Um abç. Alice.

      Excluir
  6. Parabéns, Alice por continuar vivendo, apensar do transtorno. Meu filho foi diagnosticado com esse transtorno e estou entre a cruz e a espada sobre medica-lo ou não. Vi que vc ficou um período sem o medicamento. Isso é possível? Digo, ter uma vida normal para quem tem o transtorno sem o medicamento? Já agradeço pela atenção, e parabéns mais uma vez guerreira!

    ResponderExcluir
  7. Oi, essa questão da medicação é muito particular. Já vi relatos de pessoas que não se dão bem com a medicação. Depende muito de cada um, mas a terapia é sempre a melhor opção, com ou sem remédios. Definitivamente não sou um bom parâmetro para ser avaliado pois sou muito irregular e indisciplinada, e pela demora do diagnóstico desenvolvi algumas comorbidades, como a depressão. Parei de me tomar o ritalina por um tempo pq não é recomendado quando se está muito ansioso. Quanto a ter uma vida normal, não vou dizer que seja fácil viver com TDAH pois é um transtorno, a medicação pode ajudar mas não é uma pílula mágica. De qq forma, muitas pessoas conseguem sim ter uma vida "normal", com ou sem medicação mas é importante avaliar o qual o tratamento que melhor se adeque a ele. Desejo tudo de bom para vc e seu filho, o apoio e a compreensão das pessoas que amamos é muito importante.
    Obrigada pelas palavras de incentivo.
    Um abç, Alice.

    ResponderExcluir